O momento certo para dar início a um negócio

 

Foto: Shutterstock / Terra 

Ainda que seja difícil empreender num Brasil, que mesmo melhor, ainda vive uma realidade de burocracia excessiva e altíssima carga tributária, a aptidão do brasileiro para tal é notória e tem trazido ótimos resultados para a economia do país.

Mas para abrir seu própria negócio, a aptidão não vai bastar e você vai precisar muito mais. Acompanhem na matéria publicada pelo Portal de Conteúdo Terra, algumas dicas importantes para saber o melhor momento para iniciar seu negócio.

 

Nem todo mundo tem perfil de empreendedor. E mesmo quem nasceu para isso precisa conhecer os prós e contras da prática antes de abrir o seu próprio negócio. Segundo Dalton Viesti, coordenador de graduação da Trevisan Escola de Negócios, de São Paulo, quem optar por empreender tem que ao menos ler um livro sobre o assunto e entender o que é essa carreira na prática. O segundo passo é buscar um mercado em que já possua algum know-how e analisar as possibilidades que esse setor dispõe para novas empresas.

“O que é básico e todo o empreendedor deve saber é: nunca entre em um negócio sem conhecimento nenhum”, alerta o professor. Apostar em algo com zero de know-how torna o risco maior. “Até quem está há muitos anos em um setor admite que ainda tem muito a aprender”, diz.

Perfil empreendedor

Segundo Dalton, o momento certo para empreender é quando a pessoa já se considera madura e está segura de que tem perfil para essa carreira. O professor argumenta que algumas pessoas têm uma visão “romântica” sobre empreender e não conseguem enxergar a carga de maturidade e responsabilidade que a prática exige. “Uma coisa é a vontade de ter um negócio. Outra é a capacidade, a maturidade, para gerir esse empreendimento”, esclarece Dalton. “Se sou taxista e ganho R$ 100 em uma corrida, tenho que saber que parte desse dinheiro vai para os impostos, para a manutenção do veículo, para o combustível, ou seja, para a gestão do meu negócio”, exemplifica.

O professor ainda alerta para o risco de utilizar o empreendedorismo como uma válvula de escape para os seus problemas profissionais. “Em uma situação de demissão, por exemplo, a pessoa pode acreditar que uma saída é usar a indenização para investir em um negócio próprio. Se o perfil dele não for de empreendedor, possivelmente não terá sucesso na carreira ou, assim que receber uma proposta de emprego, ele vai deixar tudo para voltar a ser funcionário”, alerta. Nesse caso, o ideal é não agir por impulso. “É melhor refletir do que gastar o dinheiro que poderia ser garantia para os meses em que essa pessoa busca um novo emprego”, orienta Dalton.

O mercado

Para o especialista, não existe um momento certo em que uma carreira pode ser deixada para trás. Segundo Dalton, o profissional pode até estar em uma boa posição hierárquica, com um bom salário e estabilizado, mas, se seu desejo e vocação for para o empreendedorismo, ele deve tentar. Mas, antes de arriscar tudo em um mercado, ele precisa fazer uma análise de qual será a receptividade do nicho para o serviço ou produto que deseja oferecer.

“Não adianta entender do mercado se o setor não tiver espaço para o que ele deseja oferecer”, explica o professor. Por isso, é importante fazer uma boa pesquisa antes. Ou seja, sondar quem seriam seus concorrentes, entender o público-alvo e suas necessidades, fazer os cálculos de quanto o negócio custa e quanto pode render. “Uma ideia pode ser ótima na cabeça, mas, ainda no papel pode apresentar problemas de aplicação e custos”, orienta Dalton.

Investimento

Se a proposta do negócio precisa de um investimento externo, o empreendedor também deve buscar este aporte antes de colocar a ideia em prática. Deixar a procura por investidor para mais tarde é um risco alto.

Já o empreendedor que vai investir do próprio bolso, precisa ter em mente que o negócio deve custar a metade do montante que possui. “A outra metade tem que estar guardada para eventuais dificuldades que não estão no planejamento”, afirma o professor.

Quando lançar o negócio no mercado

Aproveitar um período de sazonalidade que o mercado escolhido oferece pode ser uma boa oportunidade para começar o negócio com mais força. Mas, de acordo com Dalton, o empreendedor tem que tomar certos cuidados com esse tipo de estratégia. Ela, normalmente, tem mais sucesso com marcas que já são consolidadas, como as franquias.

Segundo o professor, para lançar uma nova marca, o ideal é abrir o negócio antes do período de grande movimento. Assim, nos picos de sazonalidade, o empreendimento já será conhecido dos consumidores que procuram o produto ou o serviço que ele oferece.

Fonte: Portal Terra

A Jiva é especialista em soluções de gestão empresarial para pequenas empresas. Nossas soluções atuam desde a realização de um diagnóstico sem custo para mensurar o nível de maturidade da gestão das empresas, o compartilhamento das melhores práticas em processos, a implantação do sistema integrado de gestão empresarial – ERP, até o acompanhamento evolutivo dessa gestão, garantindo que os benefícios sejam usufruídos e se consolidem na cultura dos clientes.

Gire seu smartphone para visualizar o site